A panaceia empresarial moderna

A panaceia empresarial moderna

Há uma cultura nas empresas e em consultorias que determinadas técnicas, ferramentas e métodos são a panaceia para a solução dos problemas empresariais em determinado momento e época, esquecendo que elas deveriam fazer parte do dia a dia do negócio.

Precisamos compreender que não existe solução pronta ou que não tem um remédio que irá resolver o problema organizacional de um dia para outro, é o mesmo que acreditarmos que um processo de emagrecimento rápido resolve o problema do obeso e não há o entendimento de que precisa descobrir a causa e haver, muitas vezes, uma transformação quanto a maneira de fazer as coisas.

Por trás de todo este marketing, promessas e soluções milagrosas estão somente o interesse na venda e não no resultado efetivo e definitivo do problema, mas o mais agravante é que nem sempre quem compra, também está buscando a solução definitiva, mas um “milagre” para resolver o problema e trata assim, qualquer oferta, ou modismo como a panaceia para resolver todos os problemas empresariais.

Este é um problema brasileiro? Não! Sabemos que não! Trata-se da cultura moderna consumista que acredita nos milagres e na solução rápida dos problemas, tanto pessoais, quanto organizacionais, como se fosse possível. Isto quer dizer que estes não trazem benefícios? Não! Eles trazem benefícios, especialmente quando analisamos a curto prazo, mas como não houve internalização de entendimento, mudança na estrutura de pensamento ou mesmo as pessoas não compreendem o que e nem porque fazem, à medida que o tempo passa, vai se perdendo o valor que foi criado.

A cultura do imediatismo nos impede de trabalharmos profundamente a solução dos problemas organizacionais de maneira que pessoas, processos e tecnologia sejam perfeitamente ajustados para que possam trazer a solução definitiva e assim, gerar crescimento, aumento de produtividade e verdadeiro retorno para o negócio.

Como fazer isso? Trabalhar cada componente organizacional de maneira adequada e no tempo perfeito para que tudo possa funcionar de acordo com o desejado e perdurar a solução do problema, permitindo que a organização evolua na melhoria, nos ganhos e retorno para acionistas, colaboradores e para a comunidade onde atua.

Assim como não engordamos de um dia para outro, também, não devemos emagrecer de um dia para outro, precisamos antes compreender como o nosso organismo funciona, fazer uma reeducação alimentar, ajustando outras áreas de nossa vida para que o resultado final, mesmo que demorado, possa ser efetivo e duradouro. Em uma organização não é diferente o processo pode ser relativamente rápido ou lento, dependendo do componente que precisa ser ajustado, ensinado ou melhorado.

Que possamos, como membros responsáveis por uma organização, pararmos de gastar fortunas em panaceias e começarmos a buscar a solução definitiva dos problemas, pensando no longo prazo e na sobrevivência do negócio, pois solução de UTI pode até resolver, mas também, pode matar.

Sendo uma empresa inovadora

Sendo uma empresa inovadora

“Uma empresa não se torna inovadora somente pela contratação de pessoas com o perfil de inovação, mas, pela transformação de uma cultura organizacional.”

Buscamos o caminho mais curto, queremos a alternativa mais rápida, mas nem sempre o resultado e o destino a serem alcançados serão os esperados quando pensamos que para sermos uma empresa inovadora, precisamos somente contratar recursos que tenham o perfil voltado para a inovação.

Não se constrói e nem se transforma uma empresa com um perfil conservador em inovador pela contratação de recursos no nível operacional ou tático que possuam características inovadoras.

É importante compreender que embora sejamos tentados a fazer isto, buscando o caminho mais curto, dificilmente alcançaremos o resultado desejado de nos transformarmos em uma empresa de inovação, pois o resultado tende a ser desastroso e as expectativas frustradas.

Inovação está relacionada à cultura organizacional, a forma de se fazer e a maneira de se administrar um negócio. Quando compreendemos a importância de nos transformamos em uma empresa inovadora, precisamos repensar e reconstruir os valores da organização.

É algo que devemos e temos que fazer do nível estratégico para o nível operacional e não é contratando pessoas com este perfil que alcançaremos os resultados, pois requer um processo e quanto mais profundos forem os valores e a cultura organizacional, maior é o tempo para fazer a transformação.

Poderíamos resumir os passos para conduzir uma transformação organizacional nas seguintes etapas:

  • Diagnóstico dos valores e cultura organizacional: sem compreender a profundidade, as barreiras, as limitações para realizar a transformação, não seremos capazes de trilhar a jornada de transformação.
  • Mergulhando no nível estratégico: Esta é a primeira etapa da jornada. Nesta são introduzidos novos valores, nova forma de se ver a organização e como a ela deve ser trabalhada e gerida, como a importância e a flexibilidade necessária para ser inovadora. Poderá haver, quando a resistência for grande, a troca de comando da organização ou mesmo de áreas dentro da empresa.
  • Desafio do nível tático: Quando o nível estratégico compreendeu a jornada, entendeu o que precisa ser feito, então começa se a incentivar uma revisão de postura e forma de se fazer as coisas na organização. Sendo visto como um processo, colocando desafios é que será possível conduzir as pessoas a uma nova forma de ver e agir. Também, irá requerer a troca de comando em alguns departamentos quando a resistência, reclamações e oposições surgirem.
  • Implementando inovação no Nível operacional: Somente introduzimos conceitos de inovação quando o nível estratégico e operacional compreendeu e são os incentivadores desta jornada. Aí sim, podemos trazer pessoas com o perfil inovador para fazer parte do quadro da organização.

Em paralelo ao processo de trabalhar entendimento e valores da organização, deve-se fazer o processo de comunicação, seminários, eventos que procuram implementar os conceitos de inovação, envolvendo cada nível no momento correto e adequado.

Para viabilizar e conduzir uma empresa para ser inovadora, precisamos ensinar sobre os conceitos de inovação, começando por realizar melhorias nos processos e forma de se fazer negócio.

Como fazer isso? Falaremos brevemente sobre isso em outro post. Pense sobre isto. Quer ser uma empresa inovadora, precisa-se antes de qualquer coisa, começar pela mudança dos valores e da cultura organizacional, mesmo que tenha que fazer mudança de pessoas.

Entendendo a Inovação

Entendendo a Inovação

Inovar, não está relacionado somente a trazer um novo modelo de negócio, criar um nicho que antes não existia, mas também, buscar uma melhor forma de realizar as coisas, de forma mais barata, sermos mais produtivos ou mais eficientes no atendimento ao cliente.

Na questão da inovação precisamos estar atentos não somente em como fazermos diferentes as velhas coisas, usarmos canais diferentes, uma nova forma de abordar o cliente ou mesmo um mercado. Precisamos estar atentos ao quê e como fazemos.

Para fazermos com eficiência, precisamos conhecer e dominar profundamente o assunto para fazermos melhor. Ter o domínio dos processos, ouvir o cliente, compreender os pontos fortes e fracos é fundamental no nosso negócio.

Por isso, como buscar a melhoria dos processos? Este é o segredo que precisamos descobrir, não só para fazermos internamente, com a própria equipe, como podermos contar com serviços de terceiros para nos ajudar nesta jornada, tanto para trazer uma cultura diferente e um processo de aprendizagem, como para fazermos melhor o que já estamos fazendo.

Os passos necessários para melhorar são:

  • Diagnóstico dos processos: conhecer, compreender como funciona, tê-los documentados, saber onde estão os “gargalos” operacionais é fundamental. Além dos processos, olharmos o perfil da equipe de atendimento ao cliente e entendermos o que o cliente fala com relação aos nossos produtos e serviços.
  • Analisar e identificar melhorias: depois de entender e ouvir, partir para buscar o que e como melhorar. Podemos falar de redução de tempo, isto é, redução de custo. Necessidade de capacitação, tanto para atender melhor um cliente, como para fazer melhor uma atividade e entender como aborda-lo.
  • Proceder à melhoria: Depois de compreendermos o que precisamos fazer, sermos diligentes em colocarmos em prática.
  • Analisar o resultado: Não controlamos se não medirmos, se não analisarmos o que estamos fazendo. Verificar é importante para identificar o que mais precisa ser feito, para ver se houve o impacto necessário. Depois desta análise, voltar ao inicio e refazer. Isto é um ciclo.

Implantamos inovação, não só quando mudamos totalmente a forma de realizar as coisas, mas principalmente quando fazemos melhor, mais barato e principalmente quando fazemos de maneira a agradar aos nossos clientes.

Esteja atendo ao que pode melhorar no seu negócio!

Pessoas: fonte da inovação

Pessoas: fonte da inovação

A inovação já não é mais uma opção para as organizações, agora é indispensável para a sobrevivência do negócio, pois a forma de se relacionar com o mercado está mudando o tempo todo e a cada dia novos padrões são estabelecidos, só que temos que entender que a fonte de inovação não está na tecnologia e nem nos processos, mas, nas pessoas que tocam o dia a dia.

Acreditamos, divulgamos e investimos em tecnologia e melhores processos, fazemos altos investimentos para que possamos ter bons resultados e nos adaptarmos às novas realidades, corremos atrás do prejuízo para que possamos sobreviver às demandas de um mercado que se transforma diariamente. Mas, este é o segredo? A questão é tecnologia e processo?

Precisamos repensar sobre isto. Não podemos dar roupagem nova à nossa organização com uma visão e entendimento antiquado. A fonte da verdadeira inovação vem das pessoas, daqueles que conhecem o cotidiano da organização. Quando trabalhamos de forma adequada a cultura organizacional, quando incentivada, tratando com respeito e não os considerando meros recursos dispensáveis quando a crise aperta, são a verdadeira fonte para a sobrevivência do negócio.

Pessoas não são recursos, mas talentos, o capital mais importante de qualquer negócio, grande ou pequeno, pois é através delas que seremos capazes de nos adaptar e transformar de dentro para fora, nos reinventando como organização.

Investir em pessoas, ensiná-las a repensar o que fazem, a buscarem a melhoria na forma de agir, em novos produtos e serviços a entregarmos é que nos conduzirá em uma jornada de crescimento e sobrevivência do negócio.

Processos nas organizações

Processos nas organizações

Não adianta discutirmos tecnologia e nem implantar novas soluções se não dominamos os processos, se não compreendemos como a organização trabalha, o que é necessário para que o produto e/ou serviço sejam entregues conforme o prometido e alinhado com a expectativa dos clientes.

Precisamos compreender que fazer o gerenciamento dos processos, dentro de uma organização é a sua própria alma, define quem é, como faz, como se organiza, como produz e principalmente, como cumpre a sua missão.

Temos e precisamos aprender a olhar os processos como a documentação que traduz o que uma empresa faz e como faz e não como uma coisa estática, como algo que emperra a organização.

Processos existem para cumprir a missão, mas de olho na visão, caminhar no sentido de concretizar sonhos e não para atrapalhar e impedir que a empresa não consiga atingir seu alvo.

Os processos devem ser vistos com uma expressão da cultura organizacional e desenhado de maneira a atender a flexibilidade que é requerida de uma organização para atender seus objetivos e valores.

Se estiver impedindo a empresa de realizar com eficiência a sua missão, alcançar a sua visão, ou mesmo, impedindo que negócios sejam realizados na velocidade e exigência do mercado, então os mesmos precisam ser revistos e desenhados de maneira adequada sempre alinhados com a estratégia organizacional.

Como gestores, desenhamos os processos e eles traduzem a nossa vontade, insegurança, preocupações, ansiedades e o alinhamento com a estratégia de negócio, por isso, precisamos nos posicionar como donos não podemos terceirizar.

Eles são suportados por tecnologia e ajudam os talentos humanos no direcionamento para atender os interesses do negócio, pois, eles não executam por si só.

Tecnologia e Negócio

Tecnologia e Negócio

O uso da tecnologia, de soluções, de inovações no negócio é fundamental para a sobrevivência, ou mesmo obter ou ter vantagem competitiva, mas, se não preparamos a organização para receber, ela não só não cumprirá o seu papel, como será mais um problema a ser administrado.

Para implantar uma nova tecnologia, não podemos desprezar os talentos da organização e nem os processos organizacionais que suportam o negócio. Uma tecnologia, não importando o investimento a ser realizado, nunca será uma solução em si mesma. Ela é e deve ser sempre encarada como parte de uma solução.

Precisamos, ao implantar uma nova solução tecnológica, ter uma visão e um entendimento claro como deveremos trabalhar os demais componentes organizacionais, para que seja assegurado o sucesso que o negócio precisa.

Quando aplicamos uma nova tecnologia precisamos pensar na cultura, valores, e comprometimento dos talentos humanos com as mudanças, por isso, antes de mais nada, os talentos precisam ser envolvidos na discussão do processo, pessoas chaves, pessoas que são influenciadores, os que são críticos, todos precisamos estar envolvidos em todo o processo, pois são eles que irão assegurar que a nova tecnologia será usada de forma adequada e alinhada com a estratégia do negócio.

São os talentos que podem e irão preparar os processos, realizando as adequações necessárias para que a tecnologia possa suportar o negócio como precisa, mais que isto, serão eles que irão preparar todos os outros para usar de forma adequada a tecnologia a ser disponibilizada.

Por isso, não podemos nunca, ver a tecnologia como solução dos problemas, mas simplesmente como um instrumento para suportar o negócio no realizar da sua missão e no alcançar da sua visão através das pessoas e processos.